Coração no Ritmo Certo: Georreferenciamento como ferramenta estratégica para atendimentos em parada cardiorespiratória

Área: Pré-Hospitalar

MIRIA DE MORAES PATINES

EDUARDO DE ARAUJO SILVA
GUILHERME FRANCISCO DO SANTOS REIS
CAROLINA OLIVEIRA DA ROSA
GABRIEL CURUBETO LONA DE MIRANDA
Ana Rosaria Sant Anna

Introdução: O georreferenciamento tem sido cada vez mais utilizado em serviços na área da saúde. Em Porto Alegre, o projeto municipal “Coração no Ritmo Certo” (CRC) que em parceria com o Programa de Educação Tutorial – Rede Urgência e Emergência (PET Saúde – RUE) e acadêmicos de cursos da área da saúde, capacita cidadãos a realizarem Reanimação Cardiopulmonar (RCP) e a utilizarem o desfibrilador externo automático (DEA), iniciou um trabalho-piloto de georreferenciamento de localização de DEA e de cidadãos aptos a realizar RCP. Objetivo: Apresentar os resultados do projeto CRC, especialmente no que tange à proposta de georreferenciar a distribuição de DEA e de pessoas capacitadas a realizar adequadamente RCP no município de Porto Alegre. Métodos: Trata-se de um estudo descritivo exploratório que apresenta os resultados das ações realizadas pelo projeto CRC de setembro de 2013 a julho de 2015. Resultados: Foram alocados oito DEA em pontos estratégicos da cidade, sendo estes georreferenciados e posteriormente disponibilizados através do aplicativo DoctorPOA® para que os mesmos possam ser rapidamente localizados por qualquer cidadão que esteja utilizando um aparelho celular conectado à Internet. Nesses locais há pessoas treinadas para a viabilização do uso do DEA. O CRC treinou pouco mais de 5000 pessoas, dentre as quais, 926 foram cadastradas para a próxima etapa do projeto que conta com a avaliação de condições específicas desses indivíduos para compor um grupo de pessoas que serão georreferenciadas por meio de outro aplicativo eletrônico desenvolvido especificamente para esse fim. Tal aplicativo consiste em informar o Sistema de Regulação do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU) onde estão as pessoas capacitadas a realizar RCP mais próximas ao local da ocorrência de uma parada cardíaca (PCR), e possibilitando avisar essas pessoas via mensagem eletrônica sobre tal ocorrência para que as mesmas possam auxiliar no atendimento enquanto aguardam a chegada da equipe do SAMU. Conclusões: Os resultados apresentados pelo CRC apontam para o uso promissor do georreferenciamento no atendimento emergencial em cardiologia não apenas no que tange à RCP, mas principalmente na interação serviço-comunidade-tecnologia buscando otimizar o tempo de atendimento, bem como as chances de sucesso no prognóstico de casos atendidos pelo SAMU.