Capacitação Institucional Teórico-Prática em Ressuscitação Cardiopulmonar em Adultos: um relato de experiência

Área: Enfermagem

ARIANA SILVEIRA NORONHA

Maiara Silveira Severo
Amanda Magalhaes
marilei rodrigues de lima
Henrique Meirelles Boldori
Daiane Pasqualoto da Cunha

Introdução: A rápida ressuscitação cardiopulmonar (RCP) de vítimas de parada cardíaca aumenta a probabilidade de sobrevivência e, para tanto, a fundação para uma RCP de qualidade inicia com o suporte básico de vida. Somente a experiência clínica não permiti o conhecimento em relação ao suporte básico e avançado de vida. Pensando nisso, foi criado um grupo, em um hospital terciário, liderado por enfermeiros, para promover educação continuada nos diversos ambientes hospitalares e capacitar suas equipes para obter qualidade nas RCPs. Métodos: estudo descritivo, com abordagem quantitativa, em que participaram 243 profissionais da saúde de um hospital especializado em transplantes e atuam nas mais diversas áreas do ambiente hospitalar, dentre eles: enfermeiros, técnicos e fisioterapeutas. A capacitação foi estruturada em 4 etapas: primeiro foi aplicado o pré-teste com cinco perguntas relacionadas ao suporte básico e avançado de vida. A segunda etapa: aula expositiva baseada nas novas diretrizes da American Heart Association de 2015. A terceira etapa foi dividida em três estações práticas: a primeira estação abordou a terapia inalatória básica e avançada. Na segunda estação foi demonstrada a correta montagem e desinfecção do respirador manual artificial. E, por fim, praticar as manobras de RCP: compressões torácicas, abertura das vias aéreas, ventilações e o manuseio do desfibrilador. Após, foi aplicado o pós-teste, mesmo teste aplicado previamente, com o intuito de avaliar a absorção do conteúdo e a relevância da estratégia abordada. O critério para certificar a capacitação deu-se através da correção do pós-teste e obtenção de acertos iguais ou superiores a 60%. Para comparação entre os testes, os dados foram submetidos ao teste de Wilcoxon no programa estatístico SPPS 18.0. e o nível de significância adotado foi de 5% (p<0,05). Resultados e discussão: Foram capacitados 243 profissionais, destes 237 fizeram o pré-teste. No pré-teste 65% (n=154) obtiveram o número de acertos superior a 60% (acertos 3 ≥ questões), sendo que destes, 11% (n=27) gabaritaram. No pós-teste, 99% (n=241) dos profissionais atingiram 60% dos acertos, destes 69% (N=167) acertaram todas as 5 questões. Observou-se maior número de acertos no pós-teste (p<0,04). Conclusão: Os profissionais da saúde demonstraram ter apreendido o tema proposto e a necessidade de instituir manobras imediatas e desfibrilação precoce em casos de vítimas de PCR e enfatizaram a necessidade de capacitações perió