INTOXICAÇÕES POR MEDICAMENTOS: ANÁLISE DA REALIDADE EM UM HOSPITAL DE REFERÊNCIA NO ANO DE 2015

Área: Hospitalar

JESSICA SODRE CARDOSO

Amanda Cristina Crispim Farias
Francisco Jose Candido da Silva
Gabriela Oliveira Soeiro
Marcos André Araújo Accioly Filho
Raquel Oliveira Bizerril

Introdução: As intoxicações decorrentes do uso inadequado de medicamentos se constituem em um problema atual e que apesar das políticas para controle na venda e distribuição, vem aumentando progressivamente e por vezes desencadeando até o óbito dos usuários. A partir de nossa vivência em um hospital de emergência, evidenciamos um número significativo de pacientes que eram admitidos em decorrência de intoxicações por medicamentos, assim despertou-nos interesse desenvolver um estudo com o objetivo de analisar os aspectos epidemiológicos destes pacientes. Métodos: Estudo exploratório e descritivo, com abordagem quantitativa, realizado em um hospital de emergência, situado na cidade de Fortaleza - Ceará. A população compreendeu os pacientes admitidos em 2015 por intoxicações e como amostra tivemos 203 vítimas de intoxicação por medicamentos. Os dados foram coletados a partir da ficha do Sistema Nacional de Agravos de Notificação (SINAN), compilados em planilha do Excel e analisados pelo sistema Epi Info. Respeitou-se os aspectos éticos conforme a Resolução 466/12 que trata de pesquisas com seres humanos. Resultados: A maioria dos pacientes eram do sexo feminino (123 – 60,6%), encontravam-se na faixa etária produtiva entre 20 a 29 anos (53 – 26,1%),residiam em Fortaleza (144 – 70,9%), concentrando na regional 4 o maior número de casos (31 - 21,5%). A ocorrência foi no sábado (34 – 16,7%), tendo como principal motivo a tentativa de suicídio (127 – 62,6%), com tempo de exposição ao agente superior a 6 horas (83 - 40,9%) e não necessitaram de hospitalização (120 – 59,1%). Tiveram intoxicação confirmada (194 – 98,3%), pelo critério clinico (175 – 86,2%). Conclusões:. A relação do uso abusivo de medicamentos com a tentativa de suicídio, chama a atenção neste estudo, pois em 70,9% dos casos, a intoxicação por medicamentos foi feita de forma intencional tendo como objetivo final o suicídio. Isso aponta para necessidade de maior controle da distribuição de medicamentos, sejam eles medicações de uso controlado ou não, bem como a identificação precoce e promoção de saúde contra o suicídio. Além disso, a vulnerabilidade de mulheres jovens pode nortear a criação de estratégias de educação em saúde para orientar o uso e manuseio correto de medicamentos.