PLANO ESTRATÉGICO DE CONTINGÊNCIA EM PRONTO SOCORRO DURANTE EPIDEMIA DE H1N1 EM 2016

Área: Hospitalar

MARIA CAMILA LUNARDI

Alessandra Demma de Lima
Rodrigo Passarella Muniz
Margarete Vilins
Elisabete Cruz
Fabiana Cabral Castro

INTRODUÇÃO: No início do ano de 2016, o Brasil sofreu novamente com um surto de gripe provocada pelos vírus H1N1, algumas regiões do País inclusive apresentaram epidemia da doença. Sendo o hospital Santa Marcelina, referência para os quadros graves da doença, e com o avanço alarmante da mesma durante a 11ª semana epidemiológica, foi criado um plano de contingência para que tivéssemos a menor repercussão possível no intra hospitalar. As primeiras notificações iniciaram ainda na 3ª semana epidemiológica, porém a partir da 11ª semana o número de casos apresentou um crescimento vertical importante, levando o serviço a criar estratégias, tanto para admissão e diagnóstico precoce, quanto para o isolamento de mias de 250 notificações, com cerca de 23 confirmações. MÉTODO: Através do alerta disparado pelo serviço de vigilância epidemiológica do hospital, foram criadas barreiras de prevenção e cuidados para os pacientes com quadros de síndrome gripal que eram admitidos em nosso Pronto Socorro, realizando triagem ainda na recepção do serviço com encaminhamento imediato do paciente para atendimento e posterior isolamento em enfermaria específica, criada durante esta fase. RESULTADOS: Foram notificados mais de 250 suspeitas de H1N1 durante as primeiras 23 semanas deste ano, destes 102 casos foram internados devido a riscos e gravidade extrema, 16 pacientes necessitaram de cuidados intensivos e destes 7 foram a óbito. CONCLUSÃO: As medidas de contingência e diagnóstico rápido dos casos de Síndromes gripais, permitiram que o atendimento e tratamento dos pacientes ocorracem de forma muito mais eficaz, além de evitar o contato das fontes ou casos suspeitos com os demais pacientes que encontravam-se no Pronto Socorro.