PERCEPÇÃO DA EQUIPE MULTIPROFISSIONAL SOBRE PREVENÇÃO DE PNEUMONIA ASSOCIADA À VENTILAÇÃO MECÂNICA

Área: Hospitalar

MARIA DE FATIMA PINHO VASCONCELOS

MARIANE MENEZES MELO
LUCIANA MARIA MONTENEGRO SANTIAGO
DENISE LIMA NOGUEIRA
DANIELLE MENEZES DE ALBUQUERQUE MESQUITA

INTRODUÇÃO: A pneumonia associada à ventilação mecânica (PAVM) caracteriza-se como uma das infecções hospitalares mais frequentes nas Unidades de Terapia Intensiva (UTI), com taxas que variam de 9% a 40% das infecções adquiridas nesta unidade, e está relacionada a um acréscimo no período de internação. Dessa forma, o objetivo deste estudo foi descrever a percepção dos profissionais atuantes em UTI sobre meios de prevenção de PAVM. MÉTODO: Estudo descritivo do tipo pesquisa-intervenção com abordagem quantiqualitativa. Trata-se de um recorte de uma pesquisa realizada entre os meses de outubro de 2015 a abril de 2016, aprovada pelo Comitê de Ética em Pesquisa através do CAAE: 46465415.6.0000.5053 e financiada pela Santa Casa de Misericórdia de Sobral – CE. Participaram da pesquisa 28 profissionais de nível superior atuantes nas UTI. Os dados foram coletados através de questionário semiestruturado aplicado com esses profissionais. RESULTADOS: Quando questionados sobre o bundle de prevenção de PAVM, 12 (43%) profissionais afirmaram possuir conhecimento e 16 (57%) profissionais não o conheciam. Sobre o protocolo em sequência para intubação, 22 (79%) profissionais possuíam conhecimento e 06 (21%) profissionais desconheciam este protocolo. Ao serem indagados se sentiam-se capacitados sobre as medidas de prevenção de PAVM, 10 (36%) afirmaram que sim, 04 (14%) disseram que não, e 14 (50%) disseram que se sentiam razoavelmente capacitados. Quando questionados sobre a participação em algum treinamento/evento/curso/congresso sobre prevenção de PAVM, 10 (36%) profissionais afirmaram que já participaram, enquanto 18 (64%) profissionais nunca participaram de algo relacionado. Em relação ao interesse em receber algum treinamento específico sobre o tema, 26 (96%) profissionais apontaram que gostariam de receber algum treinamento, e 01 (04%) profissional não mostrou interesse. Ao serem indagados sobre a importância de educação permanente sobre medidas preventivas da PAVM, 28 (100%) profissionais entrevistados afirmaram ser importante. CONCLUSÃO: O conhecimento dos profissionais quanto ao manejo correto do paciente, técnicas e medidas preventivas de PAVM favorecem a redução dos índices da patologia em discussão. É necessário, portanto, que haja uma rotina de educação permanente sobre prevenção de PAVM e sobre a utilização de protocolos assistenciais, a fim de reduzir custos para os hospitais bem como favorecer a recuperação dos pacientes em menor tempo.