ATUALIZAÇÃO DAS DIRETRIZES SOBRE SUPORTE BÁSICO DE VIDA: EU ACOMPANHO?

Área: Enfermagem

SUIANE COSTA FERREIRA

Camila Cabral Brito de Souza

Introdução: Durante a graduação, os enfermeiros estudam as Diretrizes para Ressuscitação Cardiopulmonar (RCP) da American Heart Association (AHA) em um processo de ensino-aprendizagem teórico-prático. Contudo, essas diretrizes são atualizadas e caberá ao estudante a busca por este novo conhecimento em meio aos estágios supervisionados e escrita do trabalho de conclusão de curso. Este estudo objetivou identificar o conhecimento dos formandos de enfermagem de uma universidade pública baiana sobre Suporte Básico de Vida (SBV) a partir das Diretrizes da AHA 2015. Metodologia: Estudo descritivo-exploratório, de abordagem quantitativa. Foram entrevistados 21 (88%) formandos de enfermagem. Foram excluídos os que possuíam formação prévia na área de saúde. Foi aplicado questionário estruturado, em maio de 2016. Este estudo foi liberado pelo Comitê de Ética em Pesquisa sob parecer nº 1.519.149. Resultados: As respostas foram classificadas em totalmente correta, parcialmente correta e incorreta. Sobre as características da parada cardiorrespiratória (PCR), 48% responderam parcialmente correta ou incorreta. Para confirmar a suspeita de PCR, 62% dos alunos informaram checar pulso e movimentos respiratórios mas não descreveram o local para checagem do pulso. Com relação às medidas de SBV em adulto, apenas 33% descreveram a realização de compressões e ventilação (30:2) até a colocação de via área avançada, mas não a frequência de 100 a 120/min. Para o SBV em crianças e bebês, 57% responderam incorretamente as ações. Ao avaliarem os componentes curriculares que abordam estas questões, 71% dos estudantes consideraram insuficiente, principalmente por não haver na universidade laboratório de habilidades práticas. 67% dos entrevistados buscaram atualizações para PCR/SBV. Para avaliação do grau de conhecimento sobre o tema, definimos como nível de conhecimento satisfatório aquele com número individual de acertos > a 75%. Para delimitação desse percentual, levou-se em consideração outros estudos realizados no Brasil. Apenas 28,5% dos graduandos apresentaram nível de conhecimento satisfatório.Conclusões: Este estudo permitiu concluir que os graduandos de enfermagem entrevistados possuíam conhecimento insatisfatório sobre PCR e manobras de SBV recomendadas pela AHA. Os pontos identificados como deficitários foram: detecção da PCR, profundidade da compressão torácica ou frequência, que são informações que comprometem o sucesso do atendimento.