Análise de Pacientes Submetidos à Revascularização Percutânea de Urgência em um Serviço Privado.

Área: Hospitalar

CAROLINE HAAB

Débora de Camargo
Diego Chemello
Aníbal Pereira Abelin
Arnoldo Azevedo dos Santos

Introdução: Em pacientes com síndrome coronariana aguda (SCA), o tratamento exclusivo da lesão culpada é indicado pelas principais diretrizes. No entanto, aproximadamente 50% dos pacientes com SCA apresentam lesões de múltiplos vasos, o que está associado a um pior prognóstico. Estudos recentes sugerem potencial benefício do tratamento simultâneo da totalidade das lesões coronarianas com estenose significativa. Método: Série de casos com objetivo de analisar os pacientes submetidos a cateterismo cardíaco (CAT) de urgência em decorrência de SCA de alto risco em um serviço privado do interior do estado do Rio Grande do Sul (RS), Brasil. Foram selecionados todos os pacientes submetidos a CAT de urgência no período de 05/2015 a 05/2016. Os dados foram analisados no programa SPSS versão 16 for Windows e descritos como porcentagem ou média ± desvio-padrão. Resultados: No período de análise, 18 pacientes realizaram CAT de urgência por SCA (61% homens, idade média 67±12 anos, índice de massa corporal 26±4 Kg/m2). A lesão culpada foi observada predominantemente em território de coronária direita (9 pacientes, 50%), seguido da descendente anterior (5 pacientes, 28%) e circunflexa (4 pacientes, 22%). O tratamento de outras lesões concomitantes ocorreu em apenas 1 caso, o qual envolvia lesão severa de tronco de coronária em paciente com instabilidade hemodinâmica. Nos demais casos, lesões concomitantes em outros territórios coronarianos não foram abordadas no mesmo procedimento. Não foram registrados óbitos durante o procedimento. Conclusões: Em um serviço privado do interior do RS, Brasil, o tratamento percutâneo de urgência de pacientes com SCA envolveu na quase totalidade a recanalização da lesão culpada. Procedimento de revascularização total (ou seja, abordando todas as estenoses significativas em um mesmo procedimento) pode ser útil em casos selecionados, mas não devem ser realizados de rotina. Essas práticas estão em consonância com as principais diretrizes vigentes.