EMPIEMA PLEURAL: UMA EMERGÊNCIA PEDIÁTRICA

Área: Pediatria

JIULIELEN RODRIGUES GONÇALVES

Jiulielen Rodrigues Gonçalves
Otávio Leite Gastal
Lucia Helena Ribeiro Ferrari

Introdução: O derrame pleural parapneumônico em crianças com pneumonia é causa comum de empiema pleural, o qual é definido pela presença de pus ou infecção no espaço pleural. Há um aumento da incidência de empiema pleural em pacientes pediátricos, com isso, existe a necessidade de diagnóstico precoce para assegurar prognóstico favorável. A tríade diagnóstica se baseia no quadro clínico, imagem e tocacocentese. Método: Relato de caso por meio de revisão de prontuário e da literatura. Relato de caso: L. C. S., três anos de idade, sexo feminino, branca, natural de Pelotas. Queixa principal: febre há 20 dias. História da doença atual: Paciente iniciou quadro febril em 13/02 e procurou atendimento no dia 18/02, sendo diagnosticada Otite Média Aguda e tratada por 10 dias com Amoxicilina. Durante o tratamento, manteve-se febril. No dia 24/02 procurou Pronto Socorro Pediátrico (PSP) para nova avaliação, sendo prescrito Amoxicilina e Clavulanato. Porém, continuava com picos febris e prostração, os familiares retornaram ao PSP em 02/03, quando foi realizado raio-x de tórax que evidenciou pneumonia com derrame pleural à direita. No mesmo dia foi iniciado tratamento com Ceftriaxona. Exame físico: prostração, taquipneia, taquicardia, afebril, saturação de 91%, necessidade de cateter nasal de oxigênio. Equipe cirúrgica realizou toracocentese, que evidenciou líquido purulento. Após foi realizada minitoracotomia com deloculação pleural e torocostomia com drenagem pleural fechada. Paciente foi transferida para a Unidade de Terapia Intensiva Pediátrica para continuação do tratamento e permaneceu 25 dias com dreno de tórax em aspiração contínua (pneumotórax). Recebeu sete dias de Ceftriaxona, e após Ampicilina, suscetível ao Streptococcus pneumoniae, positivo no cultural de derrame pleural. Completou esquema terapêutico, retirado dreno torácico e acompanhada na enfermaria pediátrica até 01/04, quando recebeu alta hospitalar. Conclusão: Os principais determinantes do prognóstico das crianças com empiema pleural são a imunização infantil atualizada, o diagnóstico precoce e o tratamento eficaz das pneumonias. Por ser uma emergência pediátrica os profissionais de saúde não devem negligenciar os sinais e sintomas do início da enfermidade, pois o tratamento adequado e em tempo hábil altera a história natural do empiema pleural.