ÓBITOS POR INTOXICAÇÃO EXÓGENA DE CARBAMATOS E ORGANOFOSFORADOS: UMA REVISÃO INTEGRATIVA

Área: Hospitalar

MARKINOKOFF LIMA E SILVA FILHO

Leduard Leon Bezerra Soares Silva
JÉSSICA PRISCILA PEREIRA DE SOUZA AVELINO
WALNÍZIA KESSIA BATISTA OLEGÁRIO
Américo Ernesto de Oliveira Junior
Isadora Pereira Farias

INTRODUÇÃO: A exposição a substâncias químicas encontradas no ambiente ou isoladas que geram complicações clínicas e/ou alterações laboratoriais no organismo do indivíduo pode ser definida como uma intoxicação exógena. A intoxicação é uma condição clínica emergencial que tem grande tendência à alta mortalidade relacionada ao diagnóstico tardio e à conduta inadequada dos profissionais de saúde. Este estudo teve como objetivo identificar a relação existente entre inseticidas carbamatos/organofosforados e os óbitos decorrentes deste tipo de intoxicação em seres humanos. MÉTODOS: Trata-se de uma revisão integrativa, realizada em periódicos disponíveis nas bases de dados eletrônicas: Literatura Latino-americana e do Caribe em Ciências da Saúde (LILACS) e da Scintific Eletronic Library Online (SCIELO), no período de 2006 à 2015. Utilizando os descritores “Mortalidade Hospitalar” e “Óbitos”, “Envenenamento”, “Agrotóxicos”, “Raticidas”, “Carbamatos” e “Organofosforados”, que resultou em 8 artigos que atendiam ao critério de inclusão. RESULTADOS: Em 2009, 2010 e 2013 verificou-se o maior número de publicações anuais correspondendo a 75% dos artigos encontrados. O número de óbitos relacionados à intoxicação por carbamatos e/ou organofosforados variou de 3,8% a 13,9%, quanto às circunstancias dos óbitos a tentativa de suicídio foi a causa mais citada, seguida por exposição ocupacional e acidental. Relacionando os óbitos e seus dados sociodemográficos, constatou-se uma predominância de tentativas de suicídio no sexo masculino, e a faixa etária com maior incidência de óbitos foi entre os 19 e 45 anos de idade. Foi possível observar um número pequeno de publicações, o que foi considerado um fator limitante para o presente estudo. Estando escassos os trabalhos que falam sobre o atendimento e as intervenções necessárias para tratamento de vitimas de intoxicações por inibidores colinesterasicos. CONCLUSÃO: Estes dados são importantes, pois mostram uma lacuna que precisa ser preenchida na literatura neste campo de conhecimento, e que é de fundamental relevância para subsidiar a pratica clínica. Faz-se necessário investir em pesquisas relacionadas às intoxicações por carbamatos e organofosforados. Além disso, é evidente a necessidade da criação de espaços para educação continuada dos profissionais de saúde, já que são atores importantes no cuidado aos indivíduos intoxicados e a falta desse conhecimento compromete o atendimento efetivo e com êxito aos pacientes.