PREVALÊNCIA DE HIPOGLICEMIAS NOTURNAS EM RELAÇÃO AO PERÍODO DIURNO DE UM SERVIÇO DE ATENDIMENTO MÓVEL DE URGÊNCIA

Área: Pré-Hospitalar

JULIA GOETTERT

Camila Weber Freitas
Mari Angela Gaedke
Catia Luciane Carvalho

INTRODUÇÃO: A hipoglicemia ocorre quando o nível de glicose no sangue encontra-se muito baixo, podendo acarretar em condições sérias se não revertida rapidamente, sendo causa frequente de atendimento em Serviços de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU). Na prática diária observa-se que a noite há maior predominância destes eventos, porém não se tem dados disponíveis que confirmem esta hipótese. Desta forma, o objetivo do estudo foi verificar a prevalência de hipoglicemia noturna em relação ao período diurno e o perfil demográfico dos usuários que tiveram hipoglicemia como motivo de atendimento em um SAMU do interior do estado do Rio Grande do Sul. MÉTODO: Trata-se de uma pesquisa descritiva exploratória, a partir de análise documental, utilizando como método de análise, a estatística descritiva. Considerou-se período diurno das 7 horas às 18 horas e 59 minutos e período noturno entre 19 horas e 6 horas e 59 minutos. Ponderou-se hipoglicemia valores de glicemia abaixo de 70 mg/dl. A coleta dos dados foi realizada a partir da análise das fichas de atendimento do SAMU de abril de 2015 a abril de 2016 que tiveram a hipoglicemia como motivo do atendimento. RESULTADOS: Dentre as 4458 fichas de atendimentos analisadas, 158 atendimentos foram prestados a indivíduos com hipoglicemia, correspondendo a 3,5% dos atendimentos. Dentre estes, 68 (43%) atendimentos foram realizados no período noturno. Em relação aos dados demográficos, houve predominância de indivíduos do sexo feminino, 53,17 % da amostra, com idade média de 56,41 anos (DP ± 21,29). O valor médio do hemoglicoteste no período diurno foi de 38,38 mg/dl (DP ± 16,25) e no período noturno 39,84 mg/dl (DP ± 15,34). Em relação à conduta, foram administradas de zero a seis ampolas de glicose hipertônica 50% endovascular, além de controle com alimentação. CONCLUSÃO: Diante do exposto, conclui-se que as hipoglicemias na área de abrangência do SAMU do estudo foram mais prevalentes no período diurno, divergindo da hipótese inicial. Através da análise dos índices de hemoglicoteste averiguou-se que não houve diferença quanto à severidade da hipoglicemia em relação ao turno, apesar de alguns estudos apontarem que o uso de medicação hipoglicemiante, seguido do período sem alimentação, acarrete em maior prevalência e severidade de crises hipoglicêmicas no período noturno. Há necessidade de discutir mais o tema, devido à relevância da temática e ao pouco referencial científico a respeito.