Curso Prático de Imobilização no Trauma: treinamento de equipes multidisciplinares para o cenário de emergência

Área: Pré-Hospitalar

YURI THOMÉ MACHADO STREY

Laís Borges Rizental
Raphael Sales Cerqueira
Deborah Lumi Shuha
Bruna Silva Cerqueira
Antônio Rogério Proença Tavares Crespo

Introdução: Periodicamente, a Liga de Emergência e Trauma da UFCSPA (LiET) realiza o Curso Prático de Imobilização no Trauma (CPIT), já com 24ª edições. A LiET busca, com a promoção do curso, transmitir conhecimentos sobre atendimento pré-hospitalar ao traumatizado para os participantes com intuito de capacitar indivíduos interessados no tema, sistematizando da abordagem à vítima no cenário pré-hospitalar. O objetivo do CPIT é ensinar técnicas de imobilização e do atendimento primário, como reanimação cardiopulmonar e permeabilidade de vias aéreas, aos pacientes politraumatizados, tanto em teoria quanto em prática. Procuramos, ao relatar o curso, expor a nossa forma de realizar e administrar esse evento para, assim, ampliarmos o know-how acerca desse tema com outros profissionais e ligas acadêmicas interessadas. Métodos: O CPIT é realizado em 2 dias. O público-alvo do curso inclui acadêmicos de medicina e enfermagem, profissionais da saúde, como enfermeiros e técnicos de enfermagem, bombeiros e socorristas. O primeiro dia consiste em 4 aulas teóricas que incluem os seguintes temas: “Avaliação inicial e Minutos de Ouro”, “Biomecânica e Cinemática do Trauma”, “Triagem de Múltiplas Vítimas” e “Imobilização”. No segundo dia ocorrem as oficinas práticas, coordenadas pelos membros da liga, que estão organizadas estações: “Kendrick Extrication Device” (KED), imobilização em decúbito dorsal e ventral, imobilização em pé e sentado, “Basic Life Support” (BLS), vias aéreas, retirada de capacete e imobilização de extremidades, e extricação rápida. Neste dia, os participantes do curso são separados em grupos menores por meio da randomização a fim de alcançarmos a maior variedade de profissionais em cada grupo e, assim, treinar o papel da equipe multidisciplinar no trauma. Resultados: Ao decorrer das oficinas práticas, percebe-se o maior envolvimento entre cada grupo, melhorando, consequentemente, a dinâmica e o trabalho em equipe em cada estação, qualidades essenciais para o maior aproveitamento do curso. Além disso, observamos grande aceitação do evento pelos participantes. Conclusão: Ao longo de 24 edições do CPIT, constate-se o papel das aulas práticas para ensino efetivo do atendimento. Por fim, observa-se a importância do ensino em grupos multidiscliplinares, pois isso reflete o ambiente profissional nos quais os participantes do curso trabalham ou irão trabalhar e, assim, procuramos auxiliar no maior rendimento e efetividade desses profissionais.