DESINTEGRAÇÃO NO ATENDIMENTO REALIZADO A CRIANÇA EM UNIDADE DE PRONTO ATENDIMENTO: RELATO DE EXPERIÊNCIA

Área: Enfermagem

KAYNA TROMBINI SCHMIDT

Bruna Caroline Rodrigues
Muriel Fernanda de Lima
Ieda Harumi Higarashi

Introdução O atendimento de urgência e emergência infantil possui peculiaridades por tratar-se de uma população que apresenta características morfológicas e capacidades funcionais que se diferenciam em cada estágio do seu crescimento e desenvolvimento. Nesse sentido é importante um local reservado a esta clientela para que a assistência prestada seja eficaz e humanizada. Este trabalho relata a experiência de enfermeiras que vivenciaram a desintegração entre um Pronto Atendimento à Criança (PAC) e uma Unidade de Pronto Atendimento Adulto. Método Trata-se de um relato de experiência referente à observação participante das pesquisadoras em Unidade de Pronto Atendimento do município de Maringá, Paraná. Participaram três enfermeiras atuantes no serviço. Os atendimentos ás crianças e adultos eram realizados no mesmo espaço, a partir de Agosto de 2015, a clientela foi separada e inaugurou-se o PAC. As observações foram realizadas durante a jornada de trabalho no período de agosto a dezembro de 2015. Resultados Por meio da observação participante dos atendimentos prestados na unidade de saúde, foi possível comprovar as vantagens de ter um ambiente individualizado à criança para realização da assistência em saúde. Por múltiplas vezes, a população exaltou o espaço novo, a equipe de enfermagem e médica, os novos equipamentos e o atendimento no geral. A inauguração do PAC trouxe elogios à equipe de saúde e ao próprio espaço disponibilizado. Houve diminuição de filas de espera, reclamações dos usuários e tumultos ocasionados pelo excesso de pessoas em um mesmo ambiente, além disso, o novo ambiente proporcionou salas direcionadas a cada tipo de procedimento, como realização de suturas, nebulizações, coleta de exames laboratoriais, observações por períodos curtos e internamentos. Conclusões Após a desintegração do atendimento às crianças na Unidade referida, houve maior contentamento da população, bem como, melhores condições físicas e humanas para a assistência à criança. Foi possível observar ainda que os profissionais se dedicaram mais ás suas funções e sentiram-se movidos a dar o melhor de si para as crianças. A separação do atendimento proporcionou inúmeras vantagens, trazendo benefícios para esta parcela da população.