Práticas de anamnese na Emergência: reflexões a partir de uma experiência acadêmica em um hospital universitário.

Área: Hospitalar

EDUARDO DE ARAUJO SILVA

Vitor Campagnolo
Anderson Castro de Souza
Dillan Rubim de Almeida
Pedro Schestatsky
Paulo Dornelles Picon

INTRODUÇÃO: A anamnese é a principal ferramenta no diagnóstico. Estudos sugerem que a anamnese isoladamente pode ser responsável por até 85% dos diagnósticos. Entretanto, a seleção do cenário desta aprendizagem pode ser determinante no adequado aprimoramento desta ferramenta semiológica. OBJETIVO: Descrever um método adotado por uma equipe de professores a estudantes de medicina em um serviço de emergência, durante as práticas de iniciação à entrevista médica. MÉTODOS: Estudo descritivo e qualitativo a partir de relatos de uma nova abordagem do paciente pelos alunos na presença de um professor. Um professor e uma equipe de sete alunos cursando a disciplina de Introdução à Clínica Médica na Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Foi aplicado um sistema de revezamento (2-3 anamneses/dia; média 20 min), em que um dos estudantes era o entrevistador (20 min) e outro o avaliador. Ao final da entrevista foi dada oportunidade de perguntas para devido esclarecimento da história do paciente. Concluída a entrevista o paciente era conduzido à outra sala e uma integração foi realizada pelo professor para verificação do cumprimento das técnicas de entrevista médica por parte do entrevistador. RESULTADOS: Para os estudantes inserção no cenário de emergência foi fundamental para o treinamento não apenas das técnicas de anamnese e no desenvolvimento da relação médico-paciente, mas principalmente por se tratar de uma abordagem diferente do que é oferecido na maioria das escolas médicas, onde a as práticas são realizadas em pacientes já hospitalizados, muitos deles já com um “discurso pronto” após repetidos questionamentos por agentes de saúde. Além disso, o paciente da emergência desconhece seu diagnóstico e a prática de anamnese dos estudantes poderia auxiliá-lo na reflexão de suas queixas e no detalhamento de queixas aparentemente irrelevantes. Para os alunos a exposição precoce e supervisionada pelo professor e colegas foi desafiadora e estimulante. A identificação de erros e acertos imediatamente após a execução da anamnese foi muito elucidativa e inspiradora. No entanto, houve falta de um espaço físico exclusivo, já que a estrutura do atual serviço de emergência ainda não prevê tal atividade. CONCLUSÃO: Evidenciou-se que o novo método de ensino-aprendizagem foi muito eficiente. O serviço de emergência mostrou-se um excelente cenário para tal. São necessários mais estudos que permitam quantificar o ganho em aprendizado pelos alunos desta nova abordagem.