Sindrome de Shaken Baby: repercussões clínicas dos maus tratos na infância

Área: Pediatria

GUILHERME CIA ZANETTI

Jéssica Lopes de Oliveira
Aline Lopes de Oliveira
Letícia Ferreira Guimarães Dieguez
Bianca Gomes Peixoto
Jussara Silva Lima

Introdução: A Síndrome de Shaken Baby (SSB) é uma emergência pediátrica, caracterizada por achados decorrentes de maus tratos, como presença de hematoma subdural ou subaracnóide, edema cerebral difuso e hemorragias retinianas. As agressões domésticas são responsáveis pela morte de 7,8% dos bebês, especialmente em razão da SSB. A idade costuma ser de 4-6 meses e dentre eles, cerca de 7-30% morrem, 30-50% têm déficits neurológicos, enquanto 30% podem se recuperar sob risco contínuo de sequelas. Método: Análise de prontuário seguido de revisão de literatura. Resultado: Lactente de 3 meses e 23 dias, branca, feminina, deu entrada no PS pediátrico do Hospital de Clínicas da Universidade Federal do Triângulo Mineiro, trazida pelo SAMU em mau estado geral (MEG), apresentando desconforto respiratório grave, flexão e rigidez de membros superiores e extensão de membros inferiores. Pai relatava que o quadro teve início súbito 50 minutos antes da entrada, tendo a criança apresentado choro intenso, agitação e apnéia. Negava uso de medicamentos, febre, intercorrências perinatais ou traumatismos. Referia apenas sopro cardíaco e anemia. Ao exame físico apresentava-se hipocorada, desidratada, com hematomas cutâneos em diferentes fases de resolução. Evoluiu com necessidade de intubação orotraqueal sendo encaminhada a UTI pediátrica, onde permaneceu por 60 dias. Teve piora hemodinâmica, com crises convulsivas, broncoespasmo e estridor. Foi realizada fundoscopia ocular que evidenciou múltiplas hemorragias retinianas, tomografia de crânio com hemorragia subaracnóidea em regiões posteriores do encéfalo e coleção frontal, além de raio x de tórax que mostrou calo ósseo em dois arcos costais, em diferentes tempos de consolidação. Após investigação e exclusão de diagnósticos diferenciais, foi sustentada a hipótese de SSB. Evoluiu com encefalopatia e necessidade de gastrostomia, tendo alta 105 dias após a internação. Retornou 1 ano e 3 meses após, em MEG, obnubilada, pele mosqueada, saturação de 65% e pulsos impalpáveis, indo a óbito 11 horas após a admissão. Conclusão: A SSB consiste na repercussão clínica dos maus tratos e, em geral, é vista inicialmente em serviços de urgência. É de difícil diagnóstico devido as informações dos eventos desencadeantes virem dos próprios agressores, sendo necessário o médico se atentar a sinais sugestivos de abuso contra a criança, a fim de agir de forma rápida e precisa dado o prognóstico e a gravidade do acometimento.