A IMPORTÂNCIA DO EXAME FÍSICO NO DIAGNÓSTICO DO TRAUMA ABDOMINAL

Área: Pré-Hospitalar

LETÍCIA FERREIRA VAZ

Bruna Ortega Burmeister
Juliana Flores
Guilherme Nogueira Machado
Rogério Fett Schneider
Ana Lia Mesquita Nunes

INTRODUÇÃO: Nas vítimas de traumatismo abdominal, a grande dissipação de energia para os órgãos internos pode resultar em múltiplas lesões. Um dos sinais de gravidade do trauma fechado é o “sinal do cinto de segurança”, equimose abdominal causada pelo posicionamento errôneo do cinto de segurança sobre o abdômen ou pelve. O propósito deste trabalho é analisar a importância do exame físico no diagnóstico de trauma abdominal. MÉTODO: Dados coletados de prontuário informatizado do Hospital Pronto Socorro de Canoas (HPSC). RESULTADOS: Homem de 37 anos, vítima de capotamento de carro, foi levado ao Hospital Pronto Socorro de Canoas dia 16/05/2015. Paciente encontrava-se na carona dianteira com cinto de segurança e queixava-se de dor abdominal. Ao exame físico, apresentava-se eupneico, normotenso, abdome depressível, com escoriações, dor e defesa voluntária à palpação. Raio-X de coluna cervical, tórax e pelve não evidenciaram lesões. Tomografia computadorizada de abdome com contraste apresentou moderada quantidade de líquido na cavidade. Devido à piora da dor abdominal e defesa difusa à palpação, o paciente foi encaminhado à laparotomia exploratória. Durante o procedimento, houve identificação de hemoperitôneo importante com ruptura da artéria mesentérica, causando desvascularização de segmento do intestino delgado. Observou-se ainda lesão extensa de colón sigmoide com secção completa e desvascularização. Foram realizadas enteroanastomose, sigmoidectomia e lavagem exaustiva da cavidade. Paciente obteve alta melhorada dia 20/05/2015. CONCLUSÕES: O exame físico continua a ser o mais importante instrumento para diagnosticar lesões abdominais que necessitem de laparotomia de urgência, como demonstrado no relato acima. Portanto, conclui-se que em pacientes traumatizados com equimoses abdominais (“sinal do cinto de segurança”), a possibilidade de lesões intestinais deve sempre ser aventada, dando atenção especial à clínica do paciente, e não apenas aos exames, intervindo cirurgicamente sempre que necessário.